APRENDIZ





corpo treme
Não tem jeito
Sou marinheiro
Neste mar
Num vai e vem
Eu navego
Não tem como enjoar
Meu corpo chora
Não tem jeito
Sou menino a brincar
Acelero
Fico lento
Tenho medo de parar
Meu corpo aquece
Não tem jeito
Sou homeotermo
Aprendendo a amar

2 comentários:

luna luna disse...

talvez sejamos por toda a vida aprendizes de algo
beijo

Carine Morais disse...

Navegantes de nós mesmos, seguimos sempre entre uma onda e outra nesse mar das emoções.
Parabéns Paulo, por versos tão lindos!

Beijos