Brisa




Tenho medo de suas viagens
desse seu jeito de ir e vir
desapareces sem me dizer adeus
surges sem me dizer olá
Tu, que invadiste meu céu
que me agasalhaste em sorrisos
em madrugadas frias
Tu, que iluminastes meus olhos
com imagens, com poemas, com esperanças...
Tenho medo de suas repentinas viagens
deste jeito seu de ir e vir
Tenho medo do dia que fores
sem aviso prévio
e de uma maneira tua
somente tua
assim como chegastes com a lua
arrebatando-me o coração
vais embora
mesmo eu te dizendo não.





19 comentários:

D. Garcia disse...

Se veio com o vento, arrebata tudo numa baforada
Depois faz como pássaro que migra
dá de ombros e arranca em debandada.
Bom fim de semana, Paulo.
Abraços.

Paula Barros disse...

Você retrata, descreve, lindamente, um sentimento que é de muitos.
beijo

isa disse...

O "medo" dos apaixonados!
Lindo final de semana.
Beijo.
isa.

Majoli disse...

Tão triste...
Que ao ouvir o teu "não", ela não se vá.

Beijos Paulo.

ZilMar disse...

que lindeza!!!!

ai..ai ..ai...

vc escreve demais!!!!!

olhe,indiquei vc para o prêmio Dardos,passe no blog:**páginas de lembranças**pra pegar seu prêmio.

bjo!

Zil

Catia Bosso disse...

Faça de conta que não se importa e o 'ir e vir' se torna uma rotina sem surpresas!


bjsMeus
Catita

Ivone Poemas disse...

Meu amigo poeta, pois é, a dor do medo, sempre colocamos nosso coração inteiro, depois em inseguranças sofremos!!!
Abraços!

Nelma Ladeira disse...

Olá Paulo.

Não se acostume com o que não o faz feliz, revolte-se quando julgar necessário.
Alague seu coração de esperanças, mas não deixe que ele se afogue nelas.
Se achar que precisa voltar, volte!
Se perceber que precisa seguir, siga!
Se estiver tudo errado, comece novamente.
Se estiver tudo certo, continue.
Se sentir saudades, mate-a.
Se perder um amor, não se perca!
Se o achar, segure-o!
Sabe porque?
O amor é tudo!O amor é vida!!!
Beijinhos.

Nelma Ladeira disse...

Esqueci de escrever...
lindo poema amei.

© Piedade Araújo Sol disse...

a diferença faz o medo de perder.

gostei!

bom fim de semana.

beij

Tunin disse...

O ir e vir, às vezes, são tão fugazes que nos levar a ter esse medo anunciado em teus potentes versos.
Abração.

Maria Luiza disse...

Viver esse sentimento deve machucar, não se é feliz totalmente. Essa arte de fazer voltar é para poucos. Eu adoro o que você escreve, todos são especiais para mim! Grande abraço!

Rô... disse...

oi meu amigo,

quem ama cuida mesmo,
e não quer ficar sem...
lindo!!!

beijinhos

maria teresa disse...

Repentinamente a ave levanta voo,voa para um infinito finito, sem destino, sente-se livre, dona do espaço... Quando cansada e saudosa regressa ao ninho.
Nesta sua necessidade de fuga,apaga da memória alguém em sofrimento, alguém que não quer que ela parta.
Mas ela volta, volta sempre!
Abracinho meu

Cris Campos disse...

Para que o amar seja perfeito vale lançar fora todo o medo, só assim ele de leve brisa passa a doce vento arrebatador! Lindos versos meu querido! Aliás, os que lá deixaste tb! Gr. Bjoo! BOMMMMM domingo!

Michele Pupo disse...

Tenho medo das partidas também, Paulo. Mas não gosto de despedidas.

Beijo e bom domingo.

(Quando vc vai publicar um livro, hem?)

Angela disse...

Esses amores que vem e vão, tão intensos ou mais de que qualquer outro.
bjs

lis disse...

A brisa vem sem aviso prévio e vai desordenadamente, intempestivamente.
Somos essas madrugadas,essas palavras,essas ternuras .
Que bom!
Lindo poema ,amarga partida, doce chegada.
boa semana Paulo
abraços

Hanna Xesco disse...

Precioso poema, nostalgica partida. Beso