O vento e o tempo

Entrego-me ao tempo-vento na esperança de voar.
Voa passarinho, Voa!
Corta o vento
Desafia o tempo
Bata as asas
Crie redemoinhos
Se transforme num menino.
Voa passarinho, voa!
Voemos nós neste tempo  imperativo.

Paulo Francisco

2 comentários:

Paula Barros disse...

Voa poeta-passarinho, voa!
beijo

nelma ladeira disse...

Olá este poema dá a sensação de liberdade!
É um convite irrecusável...
Beijinhos.