Desencontro













No centro da mesa
o vaso de porcelana
denunciava o vazio
[não havia flores
não havia amor]
No vidro da mesa
o reflexo
de um único rosto
- o dela.





Ao chão, a taça de vinho
vazia
denunciava
numa noite fria de outono
a solidão
- a dele.




E a lua se foi
quando o sol
chegou



Ele subiu, ela desceu
Ele acordou, ela dormiu




Um no ocidente
o outro no oriente



Almas perdidas
nos dois extremos
do mundo.


Unidos somente
pelo desejo
existente.


De não ficarem sós!







Paulo

Francisco







Um comentário:

nelma ladeira disse...

Lindo! são duas pessoa que se amam e nunca conseguem ficar juntas! Eu interpreto desta forma.
Amei beijinhos.