Travessia

Eu não sabia o que era. Encantava-me atravessar aquela rua de ponta a ponta. Ambulantes diversos e mulheres dançando. Nenhuma outra rua era como aquela, onde se podiam ver mulheres nuas na janela.  Eu não sabia que estava passando pela rua mais famosa do Rio. Segurando a mão de meu pai, cortávamos caminho pela Pinto de Azevedo – a rua mais frequentada do Rio de Janeiro. Eu não sabia o que era, mas encantava-me passar pela zona.

5 comentários:

Vanessa Vieira disse...

Que linda travessia meu caro. Beijo!

Michele disse...

Tenho pena destas mulheres. Já escrevi sobre isso.
Mas gostei do texto.


Um beijo, Paulo

MARILENE disse...

o desconhecido provoca sensações inexplicáveis, quase sempre, de encanto.

Bjs.

Paula Barros disse...

Quando eu tinha uns 15 anos eu pegava um ônibus que dava uma volta no centro da cidade só para passar pela zona. Adorava olhar os cabaré, as luzes vermelhas, meu sonho era conhecer um. Nunca fui. Os cabarés e suas luzes vermelhas se acabaram, e eu carrego esta frustação.

beijo

✿ chica disse...

Triste aprendizado! abraços,chica