SOFRIMENTO



































É a dor parida
infinita
dor que caminha
que paralisa
dor em choro miúdo
em berros praguejados
Dor!
física
mental
Dor!
absoluta
estúpida
que invade a alma
que desespera
que abandona
maltarata
Dor!
que inflama
sanatório interno
inferno
É dor cuspida
xingada
É a dor da despedida
do ventre
É a dor
doída
doida
que escapa
que penetra
que espanca
É dor solitária
da evasão
da partida
É dor materna
eterna
Todas as dores
numa mesma carne
numa mesma alma
É a dormência
demência
clemência
E depois da dor
a solidão.



12 comentários:

Gladys disse...

Hola querido amigo Paulo un relato muy triste el dolor es lo peor que los a tocado en esta vida pero si no sofriéramos dolor no conoceríamos la gloria, la soledad es cosa de actitud hay quienes somos feliz en soledad acompañando a otros de alguna manera, un escrito muy reflexivo amigo como siempre eres un gran aporte.
Besos que tengas un feliz día.

Maria Rita disse...

É neste mar de dores e amores que flutuamos em nossas poesias para não submergirmos todos os dias.

Beijos pra Ti Poeta

Vinicius.C disse...

Olá Paulo!

Muito bom saber que me encontrou atravez do blog da isa!

Feliz que tenha gostado do Alma, o seu espaço é show e claro, ja faço parte dos seus!

Te espero no Alma!

Forte abraço!

หคтнყ disse...

Sentir dor é horrível,
ainda mais quando, a dor vem da alma!

Bejo Grnde.

PnS disse...

A dor é sempre dolorosa, seja a física, seja a da alma, uma acaba por levar à outra. Há momentos que não sei qual consigo suportar melhor... tudo depende da dor... e ao que se reporta a mesma.

Gosto muito de vir aqui.
Abraço

Sandra Botelho disse...

E é essa dor que permeia o amor...Ou a falta dele;
beijos achocolatados

Graça Pereira disse...

Do melhor dos teus poemas! A dor cantada em toda a sua dimensão e latitudes.
" Todas as dores numa mesma carne/ numa mesma alma
......E depois da dor/ a solidão."
Beijo
Graça

Doroni Hilgenberg disse...

Oi Paulo. Doloroso poema. sö quem já sentiu a alma sangrar é que pode descrever a dor em sua plenitude. bjs

Flor da Vida disse...

Pois é amigo, esses dias estou amargando uma intensa dor... Um amigo muito querido, poeta Mauricio Martinez, se foi pra sempre... Os poetas não morrem, eles se encantam... Mas mesmo assim, é impossível segurar no momento a dor dessa perda... Estou falando tudo isso aqui, pra te dizer que seus versos vieram de encontro com o meu sentir nesses dias... Ficou lindo e profundo seu poema! Aplausos!!!
Carinhos pra ti... Bjsss

A Escafandrista disse...

gostei das rimas... uma vz um amigo fez uma poesia sobre dor num momento de dor física extrema...
acho incrível transformar sensações em poesia (o tempo todo) rsrs

Beijinhos, paulo.

Déya disse...

É dor assim.
Se é dor. Dói. Seja ela qual for..
beijo moço...

PRECIOSA disse...

Ah! Amigo poeta.
Muitas vezes a dõr é tanta
Que nós anestesia a alma
Mas nesse oceano de dôr
Nasce uma linda poesia.
Parabéns, sua escritas sempre é uma mistura de amor, ilusão e paixão.

Tenhas uma madrugada regada de muito amor.
Agradeço o carinho que deixaste marcado em meu blog.
Preciosa Maria