Imaginário



Numa tarde esquecida pelo sol.
onde a mata se cobria de neblina
e a estrada serpenteava em curvas e desafios.
Eu me perguntava num silêncio profundo
para onde estávamos indo.
Não por medo. Não por não confiar.
Simplesmente porque naquele instante
não queria chegar a nenhum lugar.
Queria continuar seguindo em frente
Simplesmente viajando
ziguezagueando em pensamentos
num eterno e doce sonhar.

Paulo Francisco

Encerrado



Estava tudo turvo como neblina em alto-mar
Estava tudo parado como num sono profundo
[nenhum som – quase tudo sem cor]
Tudo estava num espaço-tempo esquecido
Quase tudo invisível –  impossível de se acreditar
Não era medo, não era dor, não era tristeza.
Talvez fosse uma mistura de sentimentos.
Talvez não fosse nada – apenas uma situação temporária.
Um congelamento abrupto na alma e no coração.
Talvez fosse somente um sonho obscuro.
Talvez fosse um passado de um amanhã feliz.

Paulo Francisco



Insatisfação






Chega!
Não quero mais essa coisa implícita, morna, quase morta.
Quero mais que ruído, barulhinho besta.
Quero muitos decibéis de felicidade.
Quero manhãs ensolaradas e gritadas.
Gritos amorosamente sentidos.
Chega!
Não quero mais essa coisa tácita, sombria.
Quero cores que possam compor com o sol a nossa sonata de amor.
Chega!
Já não basta somente a promessa: de quem sabe um dia!

Paulo Francisco