VERSOS

















Pouco importa
a métrica
a rima
pouco importa
a flor
a dor
quero versos
do jeito que vier
na forma que quiser
pobres
livres
brancos
neste momento
o que mais importa
é dizer - te
com todas as silabas
em todas as línguas
te-amo.

SEXTA-FEIRA

Arruma a casa
desocupa gavetas
camisas dobradas
meias enroladas
na prateleira
arruma a casa
cria espaço
é sexta-feira
separa tudo
junta num canto
o desencanto
da sexta-feira
tudo limpo
gavetas vazias
cabides
pendurados
solitários
é o fim
arruma a alma
desocupa o peito
coração vazio
numa sexta-feira

Amor vadio























(Para Maria Lúcia e Carlos)


Tem barraco
dia sim
no outro
também
têm apelos
aconchegos
cara virada
no travesseiro
beicinho
um exagero!
tem bronca
de madrugada
cara - lavada
desculpas/esfarrapadas
tem sofá
na sala
lado da cama
vazio
tem barraco
todos os dia
e... meu bem!
também
separação?
nem pensar!
ela é sol
ele é lua
se amam
sem culpa
amor
vadio
bandido
escrachado
escravo
de puro prazer
e eu aqui...
escrevinho
brincando
rindo
as besteiras
deles dois
e termino
me perguntando:
cadê a minha
cara-metade!?
quero vadiar
também!...

NÓS DOIS




















Meu amor!
ainda está valendo
desejos e promessas
guardados
no peito
tempo-passado
deixado pra trás
tempo-perdido
imagem – espaço - ilusão
meu amor!
a lua - continua - olhando
tem o céu – azulado – ao meio dia
desejando nós dois
meu amor!
ainda está valendo
o tempo-presente
têm estrelas cravejadas
no céu de nós dois
ainda está valendo
as juras
a mesma canção
meu amor!
as estrelas continuam
prateando o caminho
de nós dois
lua - reluz
seu/teu/meu corpo
meu amor!
os véus de nuvens
brancas e macias
envolvendo
o nosso céu
ainda estão lá
juro!
ainda está valendo
nós dois.

(IN)CERTEZA















Quero a angústia!
o descompassado
coração
batendo forte
dizendo-me: sim e não
quero o céu e o inferno
a indecisa situação
de um amor
absoluto
confuso
quero a boca
vermelha
de anjo
de puta
dizendo-me: sim e não
quero a ferida
aberta
viva
das unhas
cravadas
no peito
que antes
acariciaram-me
quero a in-cer-te-za
a falsa no-bre-za
nenhuma ou pouca be-le-za
um sorriso torto
um grito/gemido louco
um turbilhão
quero tudo isto...
juro! nem pisco!
pra tal decisão
prefiro a incerteza
à solidão...

NUS










Sintonia corporal
pensamento bom
mãos telepáticas
num mesmo frisson
desejos alcançados
estrelas ao meio dia
sonhos acordados
vontades primitivas
corpos
jurados
molhados
interligados
totalmente
nus.

TESÃO





Ouço baixinho
palavras meigas
sussurrantes...
deixando-me aflito
um pouco esquisito
querendo você

TRANSA


































Hoje tem desacordos
desalinhos de nós dois
certo e errado
risos e choros
porradas e caricias
hoje tem corpo ardente
montaria frenética
urros e gritos
sussurros no pé do ouvido
mordidas secretas
lambidas quentes
olhares fixos
hoje tem acordos
perfeições de nós dois
corridas ofegantes
trepadas frenéticas
gritos silenciosos
corpos juntinhos
juras fingidas
hoje teremos...
chegadas e partidas.

MADRUGADA





















Conversas divertidas
risos isolados
e a noite passa...
papo cabeça
algumas besteiras
já é tarde...
desejos ardentes
no corpo da gente
que não passa...
entre sem bater
chegue de mansinho
a porta ta aberta
a sua espera...

IGNORÂNCIA


















O reflexo da imagem partida
revela a tristeza de um vagabundo
perdido nos desvarios das emoções
melancólico ser sem rumo!
o que fizestes até agora?
com sua fúria bestial
ignora o mais puro encantamento
deturpa os singelos sentimentos
de quem é angelical

INCERTEZA

Digo não,
mas quem sabe...
não! Quer dizer talvez,
(às vezes)
talvez?!
quer dizer sim
(eu acho)
então porque digo não?
não sei!
talvez quero dizer sim
(sei lá!)
digo sim ao não
o talvez ao sim
que confusão!
é esse meu coração!

IMAGINAÇÃO




















Como acreditar no adeus
se as gavetas estão cheias
de juras secretas
de desejos inacabados
e no fundo do armário
todos os retratos
de um passado bom
como acreditar no adeus
se ao acordar, encontro você,
no mesmo lugar

RECEIO...

















Tenho medo do vento
tenho medo de voar
não sei pra onde
ele pode me levar
não sou tão leve
para ser levado
¨o vento voa
ele pode voar¨
eu, mais pesado que o ar
permaneço olhando
caminhando
invejando
quem pode chegar lá
tenho medo do vento
não tenho asas
não sei voar...

NOBREZA






















Ela
dança
entre nuvens
rodopia sobre a lua
leveza sem par
pés descalços
em areia desértica
apenas aguenta
o ar
efeito raro
rara beleza
pura nobreza
sofre calada
a ausência existente
na madrugada

é de manhã...

desejo inventado
corpo gelado
querendo esquentar
e quando a porta range
o café está posto
o corpo um desgosto
um rosto
querendo chorar
nobre beleza
coisa rara
nobreza... sem par

CRESCENDO






























Eu voava
dava pirueta
tirava fininho
da a água do rio
ou era do mar?
sei lá!
vazava as nuvens
e não me molhava
andava no ar
ficava parado
espiava lá embaixo
tudo miudoinho
de repente um barulho
me desequilibrei
comecei a cair
caia...
caia...
c
a
i
i
i
a
a
a

.
.
.
.
e ai acordei!
que droga! estava sonhando...
vou dormir outra vez.

PRESENÇA



Hoje eu sonhei
não me lembro o que foi
tentei...tentei... mas não consegui
tenho certeza de que era bonito
Acho que foi com flores, possivelmente um jardim
pois quando acordei não me lembrava do sonho
mas senti o cheiro de jasmim
Acho que sonhei com você!

Paulo Francisco

LEVEZA


















Acordei!
Há muito que não acordo assim
um tanto quanto leve
sorriso na cara
lavada
safada
de quem não quer nada
acordei sem preguiça
só querendo espreguiçar
esticar o corpo
deixá-lo durinho
para depois relaxar
acordei assim
sem querer ler o jornal
um cafezinho quentinho
para depois levantar
acordei!
Há muito tempo que não acordo assim...

BOBO

























Hoje, o dia está tão bonito
dizem que está frio
mas eu não sinto não
dizem que está nublado
mas eu não vejo não
hoje, o dia foi tão bonito
Disseram-me que foi muito quente
mas eu não senti não
que estava muito abafado
mas eu nem percebi!
estão dizendo por ai
que eu ando meio abobado
será?
Eu não acho não

CORES














Todas as cores do mundo
todas as gamas de cores
azul, vermelho, amarelo
verde, amarelo, azul
todas as misturas possíveis
cores paridas
de dentro de nós
e nessa orgia de cores
os sabores
que as cores
nos trazem
cores nascidas
pra nos fazer felizes
cores
pra vida
da vida
esquecidas dentro de nós
e quando não temos mais a cor
uma mortalha incolor
nos cobre
é o fim.

PROCURA-SE



Tudo é verdade
Nada é brincadeira
Venho caminhando
O tênis está ruim

Tudo é doideira
Nada é de verdade
Ando a procura
De um coração

Dou uma canseira
Na minha vontade
Tênis malhado
Fixado ao chão

Estou de bobeira
Esperando a metade
Metade de mim.

ESPELHO



Quando penso, deixo tudo acontecer
Vem em mim, euforia assistida
Não sou noite
não sou dia
A penumbra me assusta
A claridade me cega
Quando paro, deixo tudo seguir
Paira em mim a depressão escondida
a alegria inexiste, a felicidade efêmera
Quando acordo, descubro a cinética
percebo de maneira infantil a pureza da vida
Sofro quando cresço, choro quando penso
E agora diante de mim, fico calado
Permaneço hipnotizado a frente do que desconheço
Sou triste, sou alegre
Simplesmente sou o que devo ser
Um menino?
Uma canção?
Um louco?
Talvez um boçal!
Boçal como você
Como o nosso querer
Desejo impossível
Pensamento inesquecível
Vontade adormecida
Quando penso, deixo aparecer:
a vontade
o desejo
a maldade
a perversidade
de um homem
de um velho
de um ser

Paulo Francisco

DOR






















O ácido corrói internamente aquele ser
Agudas dores transmitem o seu sofrer
Dores incubadas, guardadas a sete chaves
explodem em gemidos finos
intercalados com longos suspiros
O ácido consome lentamente a parede de um querer

Aliviadas lágrimas rolam em curvas
Entre as marcas de um tempo
Já não grita
Já não chora
Já não suspira.
Porque estás morta.